Citado na delação de Machado, Requião afirma que doações foram legais

O senador paranaense Roberto Requião (PMDB), citado pelo ex-presidente da Transpetro Sergio Machado como um dos beneficiários das doações feitas pela JBS ao PMDB, afirmou, por meio do seu advogado, Luiz Fernando Delazari, que todas as doações feitas pelo grupo empresarial à campanha de 2014 foram legais e oferecidas pelo Diretório Nacional do Partido a todos os candidatos do PMDB. “As doações foram feitas por repasses do Diretório Nacional e pela campanha de Michel Temer e oferecida a todos os candidatos do partido nas eleições de 2014. Não há irregularidades”, afirmou.

A declaração dos doadores de campanha de Requião ao TSE mostra que o senador recebeu R$ 2,4 milhões do grupo empresarial JBS, que é controladora do frigorífico Friboi entre outras marcas. Desse valor, R$ 500 mil foram destinados à campanha de Requião ao governo do Paraná pelo Diretório Nacional do PMDB. Outros R$ 400 mil foram encaminhados por meio da campanha de Michel Temer à vice-presidência. Outro R$ 1,5 milhão foi doado pela JBS diretamente ao senador. Delazari, que foi tesoureiro da campanha em 2014, ainda afirmou que todas as doações foram declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral. “O próprio Machado não disse que as doações foram irregulares. Na nossa campanha, tudo foi declarado ao TSE e não há nenhuma irregularidade”, completou.