Em quatro dias, Paranaguá tem mais de 500 casos de alergia por contato com mariposas

Paranaguá, no litoral do Paraná, registrou 562 casos – entre domingo (26) e a manhã desta quarta-feira (29) – de alergia provocada pelo contato com mariposas, de acordo com a prefeitura. Se tocadas, as cerdas das mariposas do gênero Hylesia podem causar dermatite urticante.

As alergias estão sendo tratadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

 Surto anterior

 Na temporada de 2010/2011, segundo o governo estadual, houve mais de cinco mil casos registrados em todo o litoral.

As mariposas são atraídas pela luz e invadem casas e áreas externas, como varandas, sacadas e calçadas. Ao se debaterem perto das lâmadas, elas liberam as cerdas que atingem a pele das pessoas ou então ficam depositadas em roupas e objetos.

Conforme a Divisão de Zoonoses da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), as lesões são observadas poucas horas depois do contato e causam intensa coceira, que pode durar até 14 dias. Apenas as mariposas fêmeas deste gênero causam dermatite, ainda de acordo com a Divisão de Zoonoses.

 

Confira as orientações da Sesa para prevenir incidentes com as mariposas

  • Fechar janelas e portas durante o entardecer por aproximadamente duas horas;
  • Apagar as luzes externas das moradias;
  • Não permanecer embaixo de postes luminosos, pois as mariposas são atraídas pela luz;
  • Retirar a roupa dos varais antes do entardecer;
  • Nunca pegá-las com as mãos sem proteção, mesmo quando mortas;
  • Limpar os móveis que possivelmente foram expostos às mariposas com pano úmido e colocar este pano em um saquinho plástico antes de jogá-lo no lixo;
  • Não varrer quintais e calçadas, utilizar mangueiras ou baldes com água. Para limpeza dos assoalhos, passar um pano úmido;
  • Se houver contato com a mariposa, não levar as mãos aos olhos e lavá-las imediatamente;
  • Não coçar a pele após contato com o inseto;
  • Não tomar ou passar qualquer tipo de medicamento. Lavar abundantemente com água fria e/ou utilizar compressas frias.
  • Buscar atendimento em uma unidade de saúde o mais breve possível.

Post - Andressa Pinheiro - Paranaguá/PR

Fonte: G1.com